Desafio da escrita: Dias 7 e 8

Dia 7: Escreva um romance

     Ela estava tão absorta em seu caderno de desenhos que nem percebeu que ele estava a apenas dois metros de distância. Ele a observou por algum tempo, pensando o que aconteceria a seguir. Suas palmas estavam molhadas e algo dentro de si queimava como uma brasa.
     Nunca tinha passado por uma situação assim antes. Na verdade, tudo em relação a ela era algo novo para ele. Era o tão falado amor adolescente e um dos fortes, daqueles que consomem teu corpo e tua mente. Ele não sabia que era assim e nem ligava para as consequências.
     Respirou fundo e secou as palmas das mãos na calça jeans. Quando ele se aproximou ela levantou os olhos do caderno e abriu um sorriso para ele. Ela tinha aquele tipo de sorriso que te dava vontade de sorrir também, mesmo sem motivo, e assim ele o fez.
    - Oi. – ele disse sentando a sua frente. Ela piscou duas vezes e respondeu ainda sorrindo.
    - Oi, que bom que veio. – ela disse fechando o caderno e colocando dentro da mochila vermelha.
     Ele a achava estranha às vezes. Não que isso fosse um defeito, mas era diferente, afinal, que garota diria ‘que bom que veio’, quando na verdade foi ele quem a convidou?
    - Não perderia por nada. – ele disse e sorriu satisfeito ao ver as bochechas dela corarem.
    Ela desviou os olhos para a garçonete que parara ao seu lado e ele a acompanhou.
   - Um milk-shake de morango e... – ela disse e olhou para mim.
   - Um de Ovomaltine. – completei, a garçonete anotou os pedidos num caderninho e foi embora sem dizer mais nada.
   - Como você está? – perguntou segurando a sua mão por cima da mesa. Ela sorriu sem graça.
   - Bem e você? – revidou brincando com meu dedo.
   - Melhor agora. – ele disse levantando as sobrancelhas. Ela revirou os redondos olhos castanhos sob suas órbitas.
   - Essa foi horrível. – disse e riu. – É a melhor que você tem?
   Bufou e passou a mão na cabeça.
   - Não. – ele respondeu. – Seu pai é piloto de avião?
   Ela pôs a mão na testa.
   - Essa é velha. – ela disse fingindo desapontamento.  – Não.
    - Tem certeza? Porque você é um avião.
    Ela gargalhou mesmo não tendo a menor graça.
    - Não sei por que rio disso. – ela confessou na hora que a garçonete trouxe nossos milk-shakes.
    Eles tomaram seus milk-shakes conversando banalidades que só pessoas encantadas uma com a outra conseguem falar sem ficar entediadas. A cada segundo que passava, ele tinha certeza que estava fazendo a coisa certa. A cada segundo que passava, ela sabia que ele seria especial.
    Quando os copos secaram, ele pagou a conta e a chamou para dar uma volta no parque. Ela aceitou de bom grado.
     O parque ficava ao lado da sorveteria que eles estavam então não tiveram que andar muito. Lá eles andaram para cima e para baixo, apreciando a vista e  a companhia um do outro. Ele roubou alguns beijos dela e ela não se importou.
    Eles sentaram na grama do parque para ver o pôr-do-sol. Nenhum dos dois falou nada enquanto a grande esfera laranja desaparecia no horizonte, deixando o céu dividido em azul, rosa e laranja. O único contato que eles tinham eram os dedos se tocando.
    Quando o pôr-do-sol terminou ele decidiu que era a hora certa para dizer o que sentia.
    Ele virou para ela nervoso e limpou a garganta.
    - Sabe, estamos juntos a alguns meses e isso é mais do que eu já estive com qualquer garota. – ele começou falando rápido demais e suspirou. – Eu gosto muito de você
    Ela sorriu e colocou o cabelo para trás da orelha.
   - Eu também gosto de você. – ela disse ficando tão corada quanto o sol. – É legal ficar com você.
   - Pois é... – ele disse perdendo a coragem. Porque isso era tão complicado para adolescentes? – Seu pai é padeiro?
   Ela pareceu desapontada.
   - Na verdade é. – ela respondeu franzindo as sobrancelhas. – Vai dizer que eu sou um sonho?
   Ele sorriu e se aproximou mais dela, colocando a mão no seu rosto.
    - Na verdade ia perguntar se ele me aceitaria como seu namorado. – ele respondeu brincando com a franja dela. – Isto é, se você me aceitar como seu namorado.
   Ela sorriu e o beijou apaixonadamente.
    - Acho que ele não vai se importar. – ela respondeu rindo e ele o acompanhou.
    - Ótimo. – ele disse beijando todo o rosto dela. – E sim, você é um sonho.

Dia 8: Escolha uma foto aleatória e escreva sobre ela 


Uma foto sobre amizade. O dia, na verdade o fim de semana em que essa foto foi tirada foi um dos melhores fins de semana de 2013. Nesse dia, provamos que sedentários podem fazer 5 quilômetros de corrida virarem os 5 quilômetros mais felizes das nossas vidas. Nesse dia, perdemos a vergonha e saímos gritando UOU para qualquer desconhecido que passava ao nosso lado. Por quê? Sei lá, é idiotice, mas pessoas idiotas fazem coisas idiotas quando estão felizes e bem, eu estava muito feliz mesmo sendo um domingo 7 horas da manhã. Feliz que mesmo só tendo um chuveiro, oito pessoas podem tomar banho ao mesmo tempo (de roupa e sem malícia) e lavar a cara um do outro (mesmo que ela fique inchada depois). Feliz que apesar de todas as brigas e diferenças, sempre que eu precisar, eu tenho com quem contar, porque eles estarão comigo pro que der e vier. 


Quer entender o desafio? Acesse Desafio dos 15 dias de escrita.
Dias anteriores: Dias 2 e 3Dias 4 e 5 e Dia 6.

Kamila Cavalcante

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...  

Oi! :)

Oi! :)
Essa história de que um blog precisa ter um assunto só e ter uma dona só é ultrapassada. O bom mesmo é se expressar, inovar, e fazer as pessoas se identificarem! Isso é o que pretendemos escrevendo este blog pra vocês. Gabrielle Almeida; 18, Ciencias Sociais. Kamila Cavalcante;18, Jornalismo. Ylla Biavatti, 18, Medicina Veterinária. Todas de Manaus - AM, postando diariamente assuntos totalmente desritmados! :)

Translate

Rádio Carapanã

Mais lidas!

Ocorreu um erro neste gadget
Desritmadas -

Vem também!

Parceiros